O Que Você Procura ?

gengiva branca

Gengiva branca: conheça as causas e tratamentos

dentista2

Você já estava escovando os dentes e se deparou com uma mancha na gengiva?

A gengiva branca ou esbranquiçada é uma das anomalias que comprometem o tecido gengival. De início, o sintoma pode assustar, e o indicado é recorrer ao consultório odontológico o mais rápido possível.

Veja o que pode ser a gengiva branca, quais são os seus sintomas característicos e qual a melhor forma de tratamento:

Gengiva branca, o que pode ser?

As manchas brancas na gengiva, na maioria das vezes, como demais feridas na boca, não são resultantes de complicações graves na zona bucal, tendendo a serem identificadas como traumas ou mordidas.

Entre as principais possíveis motivações da gengiva branca estão o consumo de produtos com tabaco (cigarro, charuto, cachimbo, vapes e narguilé) e pessoas que abusam no consumo de bebidas alcoólicas e casos de próteses mal adaptadas. Em casos raros, o desenvolvimento das placas pode estar associado a uma transmissão viral.

Em geral, a gengiva branca está associada à condição de leucoplasia, que tende a ser benigna. Contudo, na ausência do tratamento ideal, a situação pode se agravar e motivar um câncer na boca ou língua, uma vez que além da gengiva, as placas esbranquiçadas podem se desenvolver na língua e interior das bochechas.

A leucoplasia oral ocorre por conta do espessamento da camada superficial de queratina e as suas placas são indolores e não causam coceira ou queimação. No entanto, não são capazes de serem removidas por escovação ou raspagem, devendo assim, após a percepção, recorrer ao diagnóstico e tratamento odontológico.

mancha branca na gengiva

Quais os sintomas associados à mancha branca na gengiva?

As manchas de leucoplasia podem ser identificadas por sua coloração esbranquiçada ou acinzentada, aspecto plano e forma irregular, finas e rugosas. Além disso, podem ser duras e espessas, podendo ser classificadas independente da textura e do tamanho.

dentista1

Além disso, podem ser acompanhadas de pequenos pontos vermelhos, lesões avermelhadas ou elevadas, chamadas eritroplasias ou leucoplasia salpicada, o que faz com que haja um risco ainda maior de câncer na boca. Esses tipos de sintomas são possíveis indicadores de que a lesão é maligna.

Em casos de leucoplasia pilosa ou leucoplasia peluda, é comum que as placas parecem ter pequenos pelos ou dobras, percebidas principalmente nas laterais da língua. Tende a ser confundida com sapinhos, e também são identificadas por manchas brancas.

A leucoplasia pilosa é causada por uma infecção na boca, causada por um vírus chamado Epstein-Barr.

Como visto, as manchas não podem ser removidas pela higienização, e não causam dores ou sensação de queimação.

Quais são as causas da leucoplasia?

Estudos ainda não reconhecem a causa específica desta condição. Contudo, a irritação crônica no revestimento da boca, causada pelo cigarro, tende a ser sua principal causa. Por conta disso, é mais comum em homens entre os 40 e 60 anos de idade.

Entre demais causas que podem está associadas estão:

  • Uso de tabaco mastigável;
  • Consumo de bebidas alcoólicas;
  • Dentes quebrados roçando na bochecha;
  • Uso de dentaduras de tamanho incorreto, quebradas ou mal adaptadas;
  • Lesões na parte interna da bochecha – resultantes de mordidas acidentais ou traumas;
  • Consumo de álcool prolongado;
  • Dentes quebrados ou irregulares.

É necessário recorrer ao dentista?

É muito importante que a pessoa, assim que perceber as alterações de pigmentação, recorra a uma consulta com um dentista. É por meio da consulta com o odontologista que irá realizar uma biópsia de uma pequena amostra da placa, descartando outras doenças e assim, fazendo o diagnóstico do problema e de suas possíveis causas.

Com a biópsia é possível avaliar se a lesão é maligna ou benigna e, se benigna, detectar se há risco em se tornar maligna

Pela identificação do problema, há a definição do tratamento mais adequado, o qual o paciente é encaminhado. É pelo tratamento também que se previne o câncer na boca e seus sintomas desconfortáveis, como dor ou sensibilidade em qualquer região da boca, tal como a língua e dores de garganta.

Vale ter em mente que doenças bucais são reflexo de que algo não está indo bem não só na cavidade bucal, mas também no corpo.

Dessa forma, além das consultas com o dentista e da manutenção de uma boa higiene bucal, é importante considerar as consultas regulares com o médico, a realização de exames de rotina e a adesão de demais bons hábitos, como boa alimentação e prática regular de exercícios físicos.

Pela consulta com o médico é possível identificar se a causa da mancha está associada a anemia, a uma infecção não tratada em alguma parte do corpo e a ação de vírus.

Logo, na percepção de uma mancha esbranquiçada na gengiva, não hesite em contatar o dentista, uma vez que a detecção precoce é essencial para que haja o diagnóstico e o tratamento ideal, impedindo com que o problema se agrave. Para um diagnóstico assertivo, leve consigo informações como quando a mancha foi percebida pela primeira vez.

gengiva branca como tratar

Afinal, como tratar a mancha branca?

O tratamento para a gengiva com mancha branca vai depender do resultado do diagnóstico.

Certas complicações podem ser tratadas por medicamentos específicos, como em casos de traumas, ou causas ligadas à candidíase ou afta na gengiva.

Em casos de aftas, úlceras esbranquiçadas, o tratamento é baseado no uso de pomadas analgésicas e bochechos regulares de água com bicarbonato para aumentar o pH da saliva.

Vale considerar que diante de qualquer resultado, a boa higiene bucal faz parte da prevenção e tratamento, com a escovação feita de 2 a 3 vezes ao dia, utilizando uma escova macia e um creme dental com flúor, e a passagem regular do fio dental.

O uso de álcool e produtos com tabaco deve ser evitado, evitado o agravamento da situação e que o que a condição retorne.

Em casos das manchinhas com pontos avermelhados, a dieta alimentar deve evitar alimentos muito ácidos e muito açucarados.

No diagnóstico de leucoplasia, o tratamento é baseado no uso de medicamento controlado, sistêmico, que será um antiviral que irá interromper a ação do vírus, e tópico, que deverá ser aplicado sobre a lesão de forma regular. Caso haja a pausa do tratamento, as lesões podem voltar a aparecer.

Na suspeita de câncer bucal, o dentista pode encaminhar o paciente para a realização de cirurgia, quimioterapia ou terapia alvo conforme a condição de saúde e a gravidade da leucoplasia.

Contudo, vale ressaltar que a prevenção é a melhor forma de tratamento, mantendo uma boa higiene bucal, alimentação saudável e equilibrada, boa hidratação, visitas regulares ao dentista e a abstinência de tabaco e bebidas alcoólicas.

Visitas regulares ao dentista

As visitas periódicas ao consultório odontológico são determinantes para a manutenção da saúde bucal em dia, tal como a saúde geral. A periodicidade indicada é de 6 meses a 6 meses.

É por meio da ida ao dentista que se é capaz de detectar os problemas relacionados à saúde bucal em sua fase inicial, fazendo com que seja maior a probabilidade de sucesso de tratamento.

Logo, é por meio das visitas regulares ao dentista que se consegue não só um sorriso mais bonito, mas também uma melhor qualidade de vida.

O seu sorriso é nossa prioridade! Confie na OralDents!

Você tem alguma pergunta? Deixe sua pergunta abaixo e nós teremos prazer em respondê-las.

dentista

Deixe um Comentário

(0 comentário)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp Logo Agende Uma Consulta Agora!